Parlamento e Big Ben em Londres no por do sol

O que fazer em Londres

A pergunta que mais recebo de leitores e amigos planejando suas viagens é o que fazer em Londres? Eu sempre respondo que tenho um blog inteiro com dicas de Londres, “tá tudo lá”! Tá bom, entendo que é prático ter todas as dicas concentradas em um só post, mas em Londres isso é impossível…

Minha relutância em responder a pergunta se deve também ao fato de que Londres não oferece apenas uma, mas várias opções de viagem, dependendo do estilo e preferências de cada viajante. Eu, por exemplo, nunca fui e nem vou recomendar a visita ao Madame Tussauds, o famoso museu de cera, mas muita gente o considera um programa imperdível (e se você quiser, pode comprar ingressos antecipados aqui para evitar filas e ganhar um desconto).

Ainda assim, decidi aceitar o desafio e sugerir alguns passeios e experiências que não podem faltar na sua viagem a Londres. Meu objetivo não é oferecer um roteiro fechado, mas mostrar a você o que Londres tem de melhor na opinião de quem morou na cidade por 7 anos, mas que também “turistou” muito. Obviamente, minha sugestão tem o viés dos meus interesses e paixões, mas se você está aqui no blog, alguma coisa temos em comum, certo? 🙂

Tentarei me restringir a 10 dicas básicas para não me estender muito. Fora do básico, bem, tem o blog inteiro!

 

Top 10: o que fazer em Londres

 

1. Visitar locais históricos, alguns com mais de 1.000 anos

 

Londres existe há mais de 2.000 anos e o que não falta nesta cidade é história. Fortalezas, muralhas, ruas, casas, mercados estão aí para contá-la. Alguns edifícios como a Torre de Londres, o belíssimo conjunto arquitetônico do parlamento, que compreende o Palácio de Westminster e o Big Ben, e a Abadia de Westminster são reconhecidos como patrimônio mundial pela Unesco.

Torre de Londres

Torre de Londres | Foto: Yolanda Palomo

A visita à Torre de Londres (Tower of London) é uma senhora aula de história, que é contada em visitas guiadas por seus guardiões, os Beefeaters, e pelas construções que estão ali há quase 10 séculos. O palácio de Westminster é outro edifício histórico incrível. Durante o verão, o parlamento está aberto a visitas guiadas, e no resto do ano é possível assistir, gratuitamente, as sessões e debates dos MPs (members of Parliament).

Parlamento e Big Ben em Londres no por do sol

Este “skyline” dispensa apresentações | Foto: Marcos Medina

Uma boa base para esse passeio é o meu roteiro de um dia em Londres a pé, que passa por grande parte destes locais: Palácio de Buckingham, Palácio de Westminster, London Eye, Southbank, a margem sul do rio Tâmisa, e a Torre de Londres, para mencionar os mais conhecidos. Não se atenha às atrações principais. Londres exala historia e é possível vivenciá-la por todo lado, como no casario antigo da City e do Soho por exemplo.

Uma outra forma genial de se familiarizar com Londres é fazer um passeio de barco pelo rio Tâmisa, de Westminster a Greenwich. Os barcos turísticos têm guias que explicam o trajeto, mas os barcos de transporte público comum são mais baratos (e dão desconto para Oyster Card).

 

2. Conhecer alguns dos melhores museus do mundo

 

Se você pesquisou um pouco sobre Londres já sabe que na cidade estão alguns dos melhores museus do mundo. É um banho de cultura, e o que é melhor, totalmente gratuito. Gosto de dividir os museus em dois grupos: os de história e ciência, e os de arte e design.

Na minha humilde opinião os melhores museus de história e ciências de Londres são: British Museum (Museu Britânico), Museum of London (Museu de Londres) e o Science Museum (Museu da Ciência). O Natural History Museum (Museu de História Natural) faz muito sucesso com as crianças, principalmente pela réplica gigante da ossada de um dinossauro (o Dyplodocus), além do próprio edifício, que é espetacular. Abro parênteses para um museu de história pago, cujo ingresso, para mim, vale cada centavo: o Churchill War Rooms, saiba mais sobre ele neste post.

Museu de História Natural de Londres

Edifício do Museu de História Natural

E os melhores museus de Londres de arte e design para mim são: Tate Modern (arte contemporânea), National Gallery (arte até 1900), V&A (Victoria and Albert, de arte aplicada e design, um dos museus mais incríveis, tem de tudo lá!) e a Tate Britain (arte britânica de todas as épocas).

Tate Modern, museu em Londres, vista da Millenium Bridge

Tate Modern

Se sobrar tempo ou se quiser incluir um programa mais alternativo no seu roteiro, inspire-se neste post com 10 museus menos conhecidos de Londres que valem a visita. São todos gratuitos!

 

3. Tomar pints em um pub e comer comfort food

 

Entrar num pub à tardinha e passar a noite tomando cerveja e jogando conversa fora continua sendo uma experiência tipicamente londrina. É fato que a maior parte dos pubs atualmente é parte de grandes grupos empresariais, mas alguns deles existem há alguns séculos e ainda guardam a aura original de estalagem.

O pint é o chopp inglês, e tem 568ml. Se quiser pegar leve você pode pedir um half pint. Os ingleses costumam beber um monte de cerveja sem comer nada, mas quase todos os pubs hoje têm cozinha. É aí que entra a comfort food, chamada assim porque dá aquela sensação de conforto e saciedade, em geral à base de batata, manteiga e fritura. Além do conhecido Fish & Chips, os pubs costumam servir Bangers & Mash (salsicha com purê de batata), Pies (empadões com recheios  diversos, acompanhados de gravy, uma espécie de molho madeira) e purê, e a minha perdição: Shepherd’s Pie (uma espécie de escondidinho de carne de cordeiro moída, coberta com purê de batata. Há também a Cottage Pie, variação com carne bovina). Fique de olho no horário, porque as cozinhas dos pubs normalmente fecham às 21h.

Se estiver em Londres em um domingo, almoce em um pub. O prato do dia é o tradicional Sunday Roast, leia mais sobre ele neste post apetitoso.

Pub the Warrington em Londres

The Warrington, um pub lindo em Maida Vale

 

4. Provar uma gastronomia eclética e estrelada

 

Se você visitasse Londres há 20 ou 30 anos atrás, não teria opções de alimentação diferentes de comfort food (e ainda é assim no interior da Inglaterra). Porém, ao se tornar uma das capitais do mundo nos últimos anos, a cidade ganhou uma cena gastronômica muito rica e eclética. Essa história de que não se come bem em Londres ficou no passado!

Se você tem curiosidade de provar sabores diferentes, vai se divertir. A culinária do mundo inteiro está em Londres: tailandesa, vietnamita, malaia, peruana, etíope… E mesmo com a libra nas alturas, se você souber onde ir, uma refeição decente não custa muito mais do que custaria em uma grande cidade brasileira. Veja aqui minhas dicas de restaurantes bons e baratos em Londres.

Aos bons de garfo, Londres é *o lugar* para investir em cultura gastronômica. Restaurantes consagrados, agraciados com estrelas Michelin, têm preços comparáveis (e algumas vezes até mais baixos) aos restaurantes de alto nível no Brasil. Muitos oferecem menus a preços reduzidos na hora do almoço, o que é um excelente negócio (veja um restaurante com estrela Michelin que oferece menu executivo). Veja todas as recomendações de bons restaurantes em Londres.

Restaurante peruano Lima em Londres

Explosão de cores e sabores no Lima London

 

5. Bater perna nos mercados de Londres

 

Procurar barganhas e juntar os amigos nos mercados é parte da cultura londrina. Muitos mercados funcionam no mesmo lugar há centenas de anos. Faça chuva, frio ou sol, as barraquinhas estarão montadas e equipadas no dia e horário marcados.

Os mercados mais tradicionais são os de comida, onde você pode provar pequenas porções de diferentes culinárias a preços módicos. O mais antigo é o Borough Market, que está no mesmo lugar perto da margem sul do rio Tâmisa há (acredite!) 1.000 anos. Abria apenas às sextas e sábados, mas a demanda turística o fez expandir pouco a pouco, até passar a abrir de segunda a sábado praticamente o dia todo. As dicas quentes por ali são o hamburguer de avestruz da Exotic Meat Company, o mel aromatizado com trufas brancas da Tartufaia e o Monmouth Coffee, cafeteria orgânica nos arredores do mercado que faz o maior sucesso, que se nota pelas filas na porta.

Borough Market

Spitalfields, em East London, era o mercado de alimentos na época em que esta era uma área pobre da cidade, ocupada por imigrantes de diferentes partes do mundo. De comida passou a abrigar novos designers e agora é um mercado de arte, artesanato e roupas cercado por lojas mais estabelecidas. Fica ao lado de Brick Lane, que abriga um monte de lojas legais, brechós e o mercado de Old Truman Brewery, com barraquinhas de comida e coisinhas bacanas. O dia principal é domingo, mas já abre sábado também, e as lojas abrem nos demais dias.

O mercado de Portobello Road, aos sábados de manhã, era um mercado de antiguidades que funcionava há muitos anos. Quando o filme “Um lugar chamado Notting Hill” foi lançado o lugar ficou intransitável. Proliferaram lojas de souvenir, bares e restaurantes. Eu prefiro visitar Notting Hill durante a semana, explorar suas ruazinhas lindas e pacatas sem compromisso e jantar uma comida tailandesa deliciosa no Churchill Arms.

Para mim, os mercados mais legais atualmente são Columbia Road e London Fields. E novos mercados estão sempre aparecendo. Maltby Street, bem perto do Borough Market, é um mercado gourmet relativamente novo.

 

6. Se apaixonar por Camden

 

Não mencionei os mercados de Camden acima porque para mim este bairro merece um tópico especial. Camden é muito mais que seus vários mercados. É um bairro de pubs históricos e tradição musical, e onde está o Regent’s Canal, um dos passeios mais lindos e não convencionais de Londres, na minha opinião.

Ao lado de Camden está Primrose Hill, um bairro super charmoso e pouco explorado pelos turistas. Seu parque e colina têm uma vista panorâmica única da cidade.

primrose_hill resized

Primrose Hill e a cidade lá embaixo

 

7. Explorar a City e East London

 

A City não é apenas o tradicional distrito financeiro de Londres (ainda que muitos bancos tenham se mudado para Canary Wharf, o novo distrito financeiro), mas também a região onde a cidade começou. Essa mistura de história e modernidade é uma das características principais de Londres.

Um bom ponto de partida é o Museu de Londres (Museum of London), gratuito, que conta a história da Londres desde sua fundação e preserva partes da muralha original da cidade romana, construída quando ela se chamava Londinium.

Na City fica também a histórica catedral de São Paulo (St. Paul’s Cathedral),  e alguns bons lugares para ver Londres do alto, como o bar/restaurante Sushi Samba e o novíssimo Sky Garden, no alto do edifício conhecido como Cheese Grater (Ralador de Queijo, por sua forma). Os dois têm entrada gratuita, mas é imprescindível reservar.

Vista do rio Tâmisa e catedral de St Paul do alto da Tate

A catedral de St. Paul e a City vistas do alto da Tate Modern

A City é adjacente ao East End, onde no passado se estabeleceram diversas comunidades de imigrantes e atualmente se concentram bares e mercados alternativos. É ali que está o mercado de Spitalfields. Nos finais de semana o movimento frenético do povo business dá lugar a uma tranquilidade que remete aos tempos de Dickens e cia.

 

8. Fazer compras

 

A cotação da libra está assustando, mas ainda assim é possível encontrar boas barganhas em Londres, principalmente nas lojas fast fashion. E mesmo que você não pretenda comprar nada, as lojas são uma grande fonte de inspiração, das lojas de departamento como Selfridge’s, Harrods e Liberty e suas vitrines super criativas às pequenas lojas independentes (veja este roteiro que preparei com as lojas mais legais de Covent Garden).

Lojas em Londres Mayfair

Vitrines de Mayfair

 

9. Caminhar, andar de ônibus e de bicicleta

 

Essa é minha recomendação mais preciosa. Sei que se aplica a qualquer viagem, mas em Londres ela vale com mais força. É fácil cair na tentação de entrar no metrô, ainda mais quando o frio aperta. Mas Londres esconde segredos a cada esquina, e quanto mais disposição houver para desvendá-los, mas recompensadora será a sua viagem.

E não há nada como a sensação de sentar no 2º andar de um ônibus double decker e apreciar a cidade do alto, sem pressa de chegar (até porque as viagens de ônibus costumam demorar bem mais do que as de metrô). Neste post indico 2 linhas de ônibus que fazem um passeio super legal.

Se você tiver um pouco de espírito aventureiro, dê uma volta com as bicicletas da prefeitura, que agora mudaram de patrocinador e ficaram vermelhinhas. Se não tiver coragem de sair na rua, alugue uma Boris bike dentro do Hyde Park.

Bicicletas em Londres

Bicicletas da prefeitura em transição de patrocinador

 

10(A). NA PRIMAVERA E NO VERÃO: Curtir os parques

 

Tendo crescido no Rio de Janeiro, ao lado da praia, nunca dei muito valor aos parques, até morar em Londres. Eles são parte fundamental da vida londrina nos 6 meses mais quentes do ano. Quando faz um solzinho, o que não é tão comum, o povo corre para o parque mais próximo para “tirar o mofo” e pegar uma corzinha, sempre com suas cestinhas de pique-nique ou com um lanchinho comprado do supermercado no caminho.

Os parques mais centrais de Londres são Hyde Park, Kensington Gardens (a parte mais a oeste do Hyde Park, onde está o Kensington Palace), Green Park (entre Mayfair e o palácio de Buckingham)St. James’ Park, Regent’s Park e Primrose Hill (estes últimos são os meus preferidos). Se você quiser se aventurar fora do centro, recomendo conhecer o Richmond Park, o maior parque de Londres e uma reserva natural cheia de cervos soltos!

Green Park em Londres em uma tarde de primavera

Green Park em uma tarde de primavera

 

10(B). NO OUTONO E INVERNO: Carpe Diem!

 

Isso mesmo, minha melhor recomendação para quem visita Londres no outono e inverno é: aproveite o dia. A partir do último fim de semana de outubro, quando o horário de verão acaba, os dias ficam cada vez mais curtos. Em dezembro, o sol se põe antes das 16h. Tente acordar cedo para curtir Londres ao máximo na luz do dia, entrando em lojas e cafés de vez em quando para dar uma esquentada.

Você sabia que a maioria dos museus de Londres abre à noite pelo menos uma vez por semana? Você pode aproveitar os horários de abertura noturna dos museus para fazer seu dia render mais. Saiba tudo neste post.

***

Ufa! Escrevi muito! Sei que é muita informação, mas acho que cumpri meu propósito de dar uma ideia geral do que Londres tem a oferecer. Você pode selecionar daqui o que te interessar mais, lembrando que tentei resumir o básico. Londres é infinita e inesgotável.

Agora convido você a conhecer as dicas de Londres fora do convencional que estão aqui neste blog. Como sempre, estou aqui para tirar suas dúvidas:)

A pergunta que mais recebo de leitores e amigos planejando suas viagens é o que fazer em Londres? Eu sempre respondo que tenho um blog inteiro com dicas de Londres, "tá tudo lá"! Tá bom, entendo que é prático ter todas as dicas concentradas em um só post, mas em Londres isso é impossível... Minha relutância em responder a pergunta se deve também ao fato de que Londres não oferece apenas uma, mas várias opções de viagem, dependendo do estilo e preferências de cada viajante. Eu, por exemplo, nunca fui e nem vou recomendar a visita ao Madame Tussauds, o famoso museu de cera, mas muita gente o considera um programa imperdível (e se você quiser, pode comprar ingressos antecipados aqui para evitar filas e ganhar um desconto). Ainda assim, decidi aceitar o desafio e sugerir alguns passeios e experiências que não podem faltar na sua viagem a Londres. Meu objetivo não é oferecer um roteiro fechado, mas mostrar a você o que Londres tem de melhor na opinião de quem morou na cidade por 7 anos, mas que também “turistou” muito. Obviamente, minha sugestão tem o viés dos meus interesses e paixões, mas se você está aqui no blog, alguma coisa temos em comum, certo? 🙂 Tentarei me restringir a 10 dicas básicas para não me estender muito. Fora do básico, bem, tem o blog inteiro!   Top 10: o que fazer em Londres   1. Visitar locais históricos, alguns com mais de 1.000 anos   Londres existe há mais de 2.000 anos e o que não falta nesta cidade é história. Fortalezas, muralhas, ruas, casas, mercados estão aí para contá-la. Alguns edifícios como a Torre de Londres, o belíssimo conjunto arquitetônico do parlamento, que compreende o Palácio de Westminster e o Big Ben, e a Abadia de Westminster são reconhecidos como patrimônio mundial pela Unesco. Torre de Londres | Foto: Yolanda Palomo A visita à Torre de Londres (Tower of London) é uma senhora aula de história, que é contada em visitas guiadas por seus guardiões, os Beefeaters, e pelas construções que estão ali há quase 10 séculos. O palácio de Westminster é outro edifício histórico incrível. Durante o verão, o parlamento está aberto a visitas guiadas, e no resto do ano é possível assistir, gratuitamente, as sessões e debates dos MPs (members of Parliament). Este "skyline" dispensa apresentações | Foto: Marcos Medina Uma boa base para esse passeio é o meu roteiro de um dia em Londres a pé, que passa por grande parte destes locais: Palácio de Buckingham, Palácio de Westminster, London Eye, Southbank, a margem sul do rio Tâmisa, e a Torre de Londres, para mencionar os mais conhecidos. Não se atenha às atrações principais. Londres exala historia e é possível vivenciá-la por todo lado, como no casario antigo da City e do Soho por exemplo. Uma outra forma genial de se familiarizar com Londres é fazer um passeio de barco pelo rio Tâmisa, de Westminster a Greenwich. Os barcos turísticos têm guias…

Avalie este post!

Nota:

User Rating: 4.58 ( 26 votes)
0

Você também vai gostar de ler estes posts:



About

Multiplicando o amor por Londres desde 2011


'O que fazer em Londres' have 9 comments

  1. 13/09/2015 @ 4:36 pm 7 lugares para comer em Camden Town - Segredos de Londres

    […] Tavern – meu pub preferido em Camden é um ótimo lugar para provar clássicos da comfort food como fish&chips, pie&mash e hamburger, assim como o Sunday roast tradicional dos almoços […]

    Reply

  2. 23/11/2015 @ 5:00 pm London City Airport: meu aeroporto preferido em Londres - Segredos de Londres

    […] O que fazer em Londres […]

    Reply

  3. 21/01/2016 @ 10:11 am Destaques da Semana 73: França + Itália, Filipinas, Londres, Chile, Viajar Sozinho(a) | RBBV – Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem

    […] de Londres, por Deb W.: O que fazer em Londres. Londres é a capital do mundo! A cidade tem tanto para ver, fazer e experimentar que o visitante […]

    Reply

  4. 22/03/2016 @ 4:08 pm Isabela

    Olá, adorei a matéria.
    Achei bastante objetiva e muito esclarecedora.
    Ótimas dicas, parabéns!!!

    Reply

  5. 16/07/2016 @ 11:43 am clovis

    Muito bacana; as dicas fogem do lugar comum, são bem escritas, interessantes sempre. Parabéns.

    Reply

  6. 08/10/2016 @ 11:43 pm Alex

    Incrível como você conseguiu organizar tanta informação de forma tão bacana em um post só! Parabéns!!

    Reply

  7. 12/12/2016 @ 10:59 am Glauciran

    Muito boa! Dicas maravilhosas! Parabens!
    Mas deixa eu perguntar uma coisa, dar pra andar de bike no inverno?

    Reply

    • 19/12/2016 @ 7:16 pm Deb

      Oi Glauciran!
      Dá sim, mas não esqueça luvas, gorro e cachecol para não congelar! 🙂

      Reply

  8. 31/01/2017 @ 5:33 pm Eliane

    Fui para Londres em 2012 e mal posso esperar para voltar ! Cidade incrível com uma atmosfera super gostosa. Curti as dicas e tomara que viaje de novo para colocar elas em prática !!

    Reply


Would you like to share your thoughts?

Your email address will not be published.

Segredos de Londres: multiplicando o amor por Londres desde 2011